Ransomware: hackers cobram resgate da base de dados do STJ

Criminosos conseguiram criptografar totalmente a base de dados do Superior Tribunal de Justiça entre segunda e terça-feira desta semana (02-03) deixando a instituição às escuras. Hoje (05), técnicos do STJ encontraram um pedido de resgate, com um contato dos hackers, para negociação. As informações são do Bastidor.

A mensagem é vaga, mas dá todos os indicativos de que se trata de um ransomware, quando hackers sequestram importantes bases de dados e, em seguida, pedem grandes somas de dinheiro – normalmente a serem pagas em Bitcoin– para devolver acesso à vítima.

 

stj

Hackers deixam contato para negociar resgate da base de dados do STJ (Reprodução/O Bastidor)

Na mensagem em inglês, os hackers anunciam o ataque, dizendo que “todos os arquivos foram completamente criptografados”. Há inclusive um aviso para técnicos sobre possíveis corrompimentos de arquivos em caso de tentativas de descriptografar os servidores. Os hackers ainda se oferecem a restaurar itens afetados.

Quem está por trás disso?

Ainda não existe qualquer informação oficial sobre a possível identificação dos criminosos por trás dos ataques ao STJ, Ministério da Saúde, Governo do DF e mais outras instituições públicas nesta semana.

A mensagem encontrada pelos técnicos do STJ não tem qualquer informação sobre valores que os criminosos desejam receber em troca da devolução da base de dados. Também não parece haver nenhum tipo de motivação política no texto.

Isso poderia indicar um ataque de criminosos independentes, mas ainda não é possível descartar a ação de goernos estrangeiros. Antes do governo Bolsonaro, o Brasil era uma nação essencialmente neutra em assuntos e conflitos internacionais, o que mudou após posse do atual presidente.

Nada disso passa de especulação no momento, mas episódios como os ataques desta semana já aconteceram em países como EUA e Ucrânia e, em muitos casos, travam-se de ataques direcionados em resposta a declarações políticas de presidentes e outros líderes.

O STJ ainda não se posicionou oficialmente sobre o tema.

 

Fonte: (https://www.tecmundo.com.br/)

Você pode gostar também

More Similar Posts

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.