Cibercriminosos vazam dados da vacina Pfizer, informa agência

Informações confidenciais de cibercriminosos sobre a vacina COVID-19 da Pfizer vazaram online, após ataque dirigido à Agência Europeia de Medicamentos (EMA). A agência informa que está investigando o caso desde dezembro do ano passado.

De acordo com a EMA, em seu depoimento mais recente sobre o incidente, a investigação revelou que alguns dos documentos furtados sobre a vacina BNT162, desenvolvida pela Pfizer em parceria com o laboratório alemão BioNTech, foram publicados na internet.

“A investigação em andamento sobre o ataque cibernético da EMA revelou que alguns dos documentos acessados ​​ilegalmente relacionados a medicamentos e vacinas COVID-19 pertencentes a terceiros foram publicados na Internet. As ações necessárias estão sendo tomadas pelas autoridades policiais ”, escreve a agência em nota divulgada nesta terça-feira (12).

Entenda o caso

Em 9 de dezembro de 2020, a EMA disse estar ciente de que foi vítima de um ataque cibernético, mas não divulgou mais informações: “A EMA foi alvo de um ataque cibernético … [mas] não pode fornecer detalhes adicionais enquanto a investigação é em curso ”, disse ele.

Dois dias depois, confirma que houve violação de dados de terceiros e informa que as empresas envolvidas estão sendo avisadas, mas não revela quais são.

No mesmo dia 9 de dezembro, a Pfizer publicou nota informando que foi notificada pela EMA e confirma que alguns documentos sobre a vacina que estava desenvolvendo foram acessados ​​ilegalmente.

“Hoje, fomos informados pela Agência Europeia de Medicamentos (EMA) que a agência foi sujeita a um ataque cibernético e que alguns documentos relacionados ao candidato COVID-19 da Pfizer e BioNTech, BNT162b2, que estava armazenado em um Servidor EMA, foram acessados ​​ilegalmente ”, escreve a Pfizer no comunicado.

Agora, a agência, juntamente com as empresas envolvidas, estão investigando os documentos vazados. “A Agência continua apoiando a investigação criminal de violações de dados e documentos que podem ter sido acessados ​​sem autorização. A Agência continua em pleno funcionamento e os prazos relativos à avaliação e aprovação dos medicamentos e vacinas contra a COVID-19 não foram afetados ”, finaliza.

Fontes: European Medicines Agency (1) (two) (3) (4) (5).

Você pode gostar também

More Similar Posts

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.